terça-feira, 30 de junho de 2009

A cirurgia bariátrica

Agora que já terminei com as dietas vou falar um pouco sobre a cirurgia bariátrica, mais conhecida como gastroplastia. Essa cirurgia radical onde se reduz o estômago pelos mais diversos métodos só é recomendada a pacientes com IMC acima de 40 ou pacientes com co-morbidades severas, pois esses tipos de pacientes correm sério risco de morte por sua obesidade estar em um estado muito avançado.

A gastroplastia tradicional consiste em grampeamento de estômago, isolando sua parte maior, que passa a não ser utilizada no processo de digestão. Nessas cirurgias há frequetemente a realização de bypass, que é o desvio da passagem de alimentos por uma certa parte do intestino (normalmente duodeno e jejuno) para que haja uma má-absorção dos alimentos ingeridos e esse processo leve ao emagrecimento. Deve-se salientar que os riscos dessa cirurgia são muito grandes, pois essa é uma cirurgia radical e que não deve ser feita por motivos estéticos. Grande parte dos pacientes precisa de plásticas após o procedimento pois devido ao emagrecimento muito rápido a pele tem dificuldades para se aderir, gerando assim alguns escessos que precisam ser corrigidos cirurgicamente.

Existem 5 técnicas mais comuns de gastroplastia, irei falar delas a seguir.

Balão Intragástrico: Nessa técnica utiliza-se a endoscopia, colocando-se no estômago uma prótese de silicone em forma de balão. Ele é colocado dentro do estômago vazio e depois enchido com soro fisiológico. Quando está inflado, o balão preenche um grande espaço no estômago, dando ao paciente a sensação de saciedade. Essa técnica é temporária, sendo necessária a retirada do balão em aproximadamente 6 meses, pois o mesmo é corroído pelos ácidos estomacais. A retirada desse balão também é feita via endoscopia. Esse método é indicado a pacientes com IMC entre 35 e 40 que não conseguiram obter sucesso com nenhum outro método de tratamente não-cirúrgico, o método também pode ser usado por super obesos para reduzir o peso antes da cirurgia e reduzir os riscos. Essa técnica possui grande risco de reversão, isto é, a volta de todo o peso perdido depois da retirada do balão caso a alimentação não tenha sido modificada ao longo dos seis meses.

Banda Gástrica Ajustável: Consiste em colocar uma banda de silicone ao redor da região do final do esôfago e entrada do estômago (região conhecida como cárdia) a fim de diminuir a ingestão de alimentos. Com a passagem lenta de alimento para o estômago, o paciente se sente logo saciado. Como essa banda impede a passagem apenas de alimentos e não de líquidos, deve-se tomar cuidado com a ingestão de líquidos calóricos. A banda possui um balão ligado a um tubo por onde pode-se ajustar o anel de silicone, até que ocorra a adaptação adequada do paciente. Essa cirurgia pode ser revertida caso o paciente não se adapte a ela.

By Pass em Y de Roux: Consiste em grampear o estômago reduzindo a sua capacidade e o seu espaço. O novo estômago fica com um volume de aproximadamente 50 mL. Juntamente a isso é feito um desvio no intestino de cerca de 2m nos 7m normais do intestino e o intestino desviado é conectado ao novo estômago. Esse tipo de cirurgia provoca a diabsorção dos alimentos, levando o paciente a ficar dependente de reposições vitamínicas pelo resto de sua vida. A perda de peso obtida é rápida e corresponde a cerca de 80% do sobrepeso. Quando o paciente consome alimentos em excesso ele sente desconforto e mal estar, que podem levar ao vômito. Não se coloca anel de silicone nessa cirurgia.

Cirurgia de Capella: Semelhante ao Bypass, só que com a colocação do anel, nessa cirurgia também há o grampeamento do estômago e o desvio do intestino é de cerca de 1m. O anel de silicone colocado em volta do estômago provoca a passagem lenta dos alimentos e também impede uma dilatação da entrada do novo estômago. Também há diabsorção alimentar e o paciente também fica dependente de injeções de vitamina. Sua eficiência é a mesma da Bypass em Y de Roux.

Cirurgia de Scopinaro: Consiste na retirada parcial do estômago, reduzindo sua capacidade em 50%, também há a secção do intestino delgado, fazendo um desvio grande e ligando-o novamente ao estômago. O estômago ainda fica com um volume de 300g nessa operação, possibilitando ao paciente uma maior ingestão de alimentos. Como há diabsorção alimentar, no caso de o paciente ingerir muitas gorduras, isso pode ocasionar diarréias, e fezes e flatulência de odor fétido. Nessa cirurgia a perda do sobrepeso chega a até 95%.

Referências bibliográficas: www.gastroplastia.net



2 comentários:

  1. A cirurgia de By Pass em Y de Roux pode ser revertida ? Eu fiz utilizando essa tecnica e passo mal constantemente, não aguento mais não conseguir comer nada, nem os alimentos liberados pela nutricionista.

    ResponderExcluir